Um pouco de Cancún com criança (MEX)

quarta-feira, abril 18, 2018

  Olha eu aqui acelerando as postagens gente >.<
  Em julho de 2016, viajamos para Cancún. Foi a primeira viagem internacional do Caio (1 ano e 8 meses) e posso dizer que a experiência foi incrível e serviu demais como modelo para as próximas viagens.

  Nosso roteiro durou 5 dias completos (15/07 à 19/07, no dia 20/07 foi dia de voltar) e conseguimos aproveitar um pouco dessa cidade linda do Caribe.


O mar do caribe <3
Escolhendo a data

  Não sei se vocês sabem, mas entre junho e novembro é temporada de furacões no Caribe, tendo mais chances de acontecer em setembro e outubro. Mas isso não significa que você não possa viajar. 

  Quando optamos por ir em julho | por conta das minhas férias | ficamos a princípio um pouco receosos. Mas como o voo e o hotel estavam absurdamente baratos, resolvemos arriscar. E vou falar para vocês, pegamos apenas um dia de garoa rápida, então, valeu a pena. Pelo que andei lendo, esse período é mais propenso a ter furacão, mas, dificilmente acontece, o máximo que li foram relatos de chuvas.
Voo
  Nosso voo estava marcado para sexta-feira (15/07) às 1h50, mas fomos para o aeroporto na quinta-feira (14/07) às 21h30.
  Escolhemos a Copa para fazer essa viagem, por conta do menor preço. Os aviões estavam ok, bem diferente de quando fomos para Las Vegas em 2014, onde os dois aviões eram tão velhos que até tive medo de voar >.< A única coisa ruim desta vez foi que não tinha cobertor e travesseiros para todos os passageiros!!!
  Não existe voo direto daqui para Cancún, então viajamos até o Panamá, foram mais ou menos 6h de voo e lá pegamos outro avião para Cancún, mais 2h de viagem. 
  Os voos foram bem tranquilos, não posso negar. Escolhemos voo noturno para que o Caio viajasse dormindo. O que nos surpreendeu foi que ele dormiu em todos eles, tanto da ida, quanto da volta, ou seja, as quatro viagens! Ficou acordado um pouco mais de 30' em cada, mas logo adormeceu!
  Montei um kit viagem contendo massinha, giz de cera, carrinho, lousinha mágica, caderno e boneco para distrai-lo e sinceramente, ele quase nem usou. Mas como diz o ditado: uma mãe prevenida vale por duas rsrs. Além disso, esses brinquedinhos divertiram ele durante a nossa estadia no hotel :)

  Só para conhecimento, o aeroporto de Cancún é um dos mais burocráticos que já vi! Chegando lá você precisa preencher alguns papéis e acaba perdendo alguns minutos na fila, haja paciência!!! Outra coisa, por conta da lata de leite do Caio, abriram a nossa mala em Cancún. Fomos chamados de canto pela polícia federal do México, junto com a mala. Depois que viram que o leite estava lacrado, liberam a gente!
Aeroporto do Panamá: Aeroporto Internacional Tocumen (PTY).
Aeroporto de Cancún: Aeroporto Internacional de Cancún (CUN).


Alugando o carro
  Alugamos o carro dentro do aeroporto mesmo, na Budget. Alugamos também a cadeirinha para o Caio, mesmo não sendo obrigatória o uso no México. Quando o carro chegou, meu marido percebeu que ele estava sujo, mas não disse nada e aproveitamos a situação para pedir desconto na hora da entrega!
  Escolhemos o Impala (mesmo carro que alugamos em nossa trip pela Califa) e aprendemos logo de cara que dá super certo negociar com os mexicanos! Diferente dos americanos que não aceitam muito pechincha, conseguimos um ótimo preço no aluguel do carro e um desconto extra na devolução, pela sujeira!!! Então, fica a dica: peça desconto, diga que está caro, que vai procurar outra locadora, etc.

  Ah, uma dica para as mamães: levem uma roupa de calor para as crianças na mala de mão. Caio sempre viaja de moletom por conta do ar estremecedor do avião e estava um calor absurdo quando chegamos. Assim que o carro parou na nossa frente, corri para trocá-lo.
Hotel

  O hotel geralmente quem escolhe é meu marido. Não gosto muito de ficar com essa parte (só gosto de ver as opções que ele apresenta haha), pra mim sobra o roteiro | que amo fazer ^.^
  Ele escolheu o JW Marriott Cancun Resort & Spa. Eu particularmente amei cada centímetro dele! É lindo e bem completinho!
  Tem serviço de spa, academia, piscina, piscina infantil, jacuzi, um mini shopping, 8 restaurantes (nem todos funcionam nas três refeições, precisa verificar os horários).
  Você pode fechar a diária com all-inclusive ou sem. Preferimos fechar sem e saímos super ganhando! Lá dentro tem um mercadinho | lojinha, onde vende salada de frutas e frutas individuais, iogurtes, sucos, bolachas, croissant, bolos, cafés, souvenirs... Comemos todos os dias lá e nosso desayuno saiu muito mais barato do que fechando all-inclusive ou optando por comer no restaurante do hotel na hora.
  Um ponto a se comentar é que não há área de lazer para os pequenos e pra falar a verdade, nem fez falta! A piscina possui uma borda rasa enorme, muito legal. O Caio se acabou tanto que nem quis saber da piscina infantil, só quis ficar na borda. O ponto negativo é que a piscina infantil fica um pouco longe da área da borda rasa >.<

  Ah, tem também uma borda infinita, que dá de cara com o mar azul turquesa 💙 as fotos ficam maravilhosas!
  Resumindo: super indico o hotel e me hospedaria lá novamente, com toda a certeza <3 Outra coisa legal é que no hotel tem várias cabaninhas que podem ser alugadas, de frente para o mar! Delícia de descanso :)
  Endereço: Blvd. Kukulcan, km 14.5, Lote 40-A, zona hoteleira.









Conhecendo Cancún
  Cancún é uma cidade que fica no estado de Quintana Roo, na parte leste da Península de Yucatán, no México (América do Norte).

  Além de ser conhecida por suas praias caribenhas, parques e cenotes, na Península de Yucatán você encontra diversas ruínas pela região, construídas pela civilização Maia. É fantástico observar um lugar onde o antigo e o moderno se encontram e casam perfeitamente 💜

  Para quem gosta de se aventurar, ou não, Quintana Roo é o lugar certo para agradar todos os tipos de turistas, pois lá você encontra quase todos os tipos de turismo: cultural, histórico, ecológico, de consumo, religioso, aventura...

  Tem quem não goste de Cancún, tem quem goste. Eu gostei, por isso estou indicando essa viagem ;)


Dia 1 (15/07): Chegada + Shopping + Hotel 

  Chegamos em Cancún por volta das 11h e antes de ir para o hotel, passamos em um mercadinho, para comprar coisinhas para beliscar | tipo água, bolachas, sucos | e chip para celular. 
  La Isla Shopping Village

  Demos um pulo no shopping La Isla para almoçar e andamos um pouquinho por lá. O shopping é pequeno, a céu aberto, tem um pequeno canal com pontes e conta com algumas lojas de grife; além de algumas atrações como Cancun Wax Museum (primeiro museu de cera em Cancún) e o Interactive Aquarium. Não visitamos nenhuma das duas atrações.

 Endereço: Blvd. Kukulcan Km 12.5, La Isla, Zona Hoteleira. 

  Depois do rápido passeio, fomos direto para o hotel, conhecer e descansar!

* Falarei sobre os restaurantes no fim do post!


Caio se refrescando na entrada do shopping!
Dia 2 (16/07): Hotel

  Resolvemos que faríamos um rodízio durante a viagem: um dia de hotel e um dia de passeio. Não conseguimos conhecer muitos lugares por conta desta decisão, mas como o Caio ainda era um bebê, optamos por deixar ele descansar, afinal, nossa prioridade era o bem estar dele.

  Então, neste dia só teve piscina e até o almoço rolou por lá mesmo. Só voltamos pro quarto às 17h! Deixamos ele brincar a vontade, já que no dia seguinte, seria bem puxado!


Borda infinita!

Borda rasa
Dia 3 (17/07): 2 Passeios

  Chichén Itzá

   Não tem como ir para Cancún e não conhecer pelo menos uma de suas ruínas. Existem muitas "cidades maias" espalhadas por Quintana Roo, em outros estados da península (algumas são: Edzná, Uxmal, Labná, Kohunlich, Becan, Calakmul...) e até em outros países. Mas os 4 sítios arqueológicos mais visitados são: Chichén Itzá, Tulum, Cobá e Ek Balam.

  Gostaria de ter conhecido TODAS, mas com criança pequena não dá, não é um passeio muito interessante para eles. Escolhemos Chichén Itzá por me lembrar perfeitamente das minhas aulas na faculdade de história. Essa ruína está localizada na cidade de Pisté.

  Como estávamos com carro, não contratamos tour. Lá mesmo compramos os ingressos e contratamos um guia para nos auxiliar com as explicações.



Chegamos por volta das 11h30 da manhã e não aconselho: o sol já estava super forte e não tem muitas árvores no local, é super a céu aberto. Caio ficou todo queimado, pois nem o protetor solar deu conta do calorão. Além do mais, as nossas fotos saíram cheia de pessoas ao fundo, porque os ônibus de excursões chegam mais ou menos nesse horário.

  Chichén Itzá foi uma civilização Maia do período pré-colombiano e estima-se que foi construída em 435-455 a.C. A cidade foi abandonada em 670 d.C. e foi reconstruída 300 anos mais tarde.  No seu auge, Chichén Itzá era tida como o centro financeiro, tornando-se a principal cidade da cultura maia e a mais importante do nordeste de Yucatán (período pós-clássico).

  O declínio da cidade ainda é um mistério. Alguns pesquisadores | historiadores dizem que o fim se deu porque a cidade foi saqueada, outros porque foi invadida, outros por conta de questões climáticas: seca. Enfim, não se sabe realmente o que levou ao fim desta civilização maia, mas sabemos que hoje Chichén Itzá é considerada uma das Sete Maravilhas do Mundo Moderno.

  E agora pasmem com o que vou falar para vocês: apenas 15% deste sítio está escavado!!! Custa muito dinheiro para continuar as escavações, por isso o governo mexicano parou de desenterrar a cidade. Abaixo do solo ainda tem muita estrutura a ser desvendada.


  A principal pirâmide do sítio é a Kukulkán (ou El Castillo), feita com 90 degraus de cada lado, que totalizam 360 + 5 degraus da entrada do templo acima = 365 (dias do calendário maia). O calendário era muito importante para a agricultura e os conhecimentos de arquitetura, matemática e astronomia, mostram que os maias estavam além do seu tempo!!!

Templo de Kukulkán 




  Além do templo, passamos também pelo Templo das Mil Colunas ou Templo dos Guerreiros, o Campo de Jogos dos Prisioneiros (onde o vencedor era degolado, porque era tido como uma espécie de privilégio ganhar, eles acreditavam na reencarnação) e o Observatório astrológico "El Caracol".


  Dica: comprem o que quiserem em Chichén Itzá, há vários ambulantes lá dentro, vendendo artesanatos e regalitos. Li em alguns blogs que lá os souvenirs são mais baratos que em outras ruínas. Vale a pena pechinchar também!

  Valor: $ 167,00 MXN em 2016 (agora já aumentou).

  Funcionamento: todos os dias, das 8h às 17h (com entrada até 16h ou 16h30).


  De Cancún até Chichén Itzá: aproximadamente 196,6 Km (+/- 2h20).

Templo das Mil Colunas
Campo de Jogo dos Prisioneiros
Aro onde a bola tinha que entrar

Observatório astrológico

  Cenote Ik-Kil

  Bem pertinho de Chichén Itzá, você encontra o Cenote Ik Kil.

  Isso é uma coisa que se encontra muito em Quintana Roo: cenotes. Para quem não sabe, cenote é uma cavidade natural, onde foram formadas "piscinas subterrâneas". Um poço consideravelmente grande, alguns, dentro de cavernas. Estima-se que na Península de Yucatán existam mais de 7.000 cenotes 😱 E para curiosidade, os cenotes eram utilizados pelos maias em alguns rituais de sacrifício, de cunho religioso.

Cenote Ik Kil

  Por ser perto de Chichén Itzá, geralmente as empresas de tour costumam fazer os dois passeios no mesmo dia. Almoçamos em um restaurante no caminho (não lembro qual) e fomos direto pro cenote.

  Para entrar no cenote é necessário pagar e se quiser, pode até mergulhar. Como estávamos com o Caio, não entramos na água. Confesso que mesmo sem entrar na água, foi maravilhoso ver o sol refletindo no fundo do cenote no fim da tarde! Depois do almoço o cenote fica completamente lotado e para ajudar ainda mais, fomos em um domingo!!!



  Se quiser passar o dia, o cenote tem uma bela estrutura, que conta com hotel, banheiros, lojas e lanchonete.

  Valor: $ 70,00 MXN.

  Funcionamento: das 8h às 17h. 

  Localização: à 3 km do sítio arqueológico de Chichén Itzá.
Dia 4 (18/07): Hotel + Praia Pública + Shopping

  Este dia tiramos apenas para descansar. Rolou piscina novamente e no fim da tarde, fomos conhecer um dos letreiros de Cancún que fica na praia pública de Delfines, na zona hoteleira. A praia é toda linda e tem um parquinho maravilhoso para as crianças. 

  Depois fomos ao shopping La Isla, onde pegamos uma pequena garoa, mas nada demais. Paramos para tomar um sorvete da Haagen-Dazs e a noite jantamos em um restaurante típico no centro.





Playground para os pequenos <3
Dia 5 (19/07): Passeio

  X-Caret

  Um dos passeios super requisitados para quem vai para Cancún, é visitar os parques ecológicos. São estes: Xoximilco (parque ecológico), Xel-Há (parque com atividades mais aquáticas), X-Plor (parque com atividades radicais na selva), X-Caret (parque com diversas atrações) e Xenotes (o único que te leva a conhecer os 4 tipos de cenotes que existem no mundo).

  Como foi nossa primeira vez em Cancún, optamos por ir aos lugares mais conhecidos e visitados e de todos os parques, X-Caret além de ser o mais famoso, foi o primeiro a ser construído.

Chegando no parque


  Compramos os ingressos no hotel e chegando lá decidimos nadar com os golfinhos! Pagamos, na época, US$ 99,00 dólares por pessoa (crianças até 5 anos não pagam e de 5 a 11 anos, pagam meia) para entrar no parque. Algumas atrações necessitam pagar a parte e sinceramente, achei tudo muito caro >.<

  Para nadar com os golfinhos, o preço inicial era de US$ 99,00 dólares por pessoa, incluindo as crianças. Choramos o máximo que conseguimos e acreditem, a atração que iria ficar por US$ 600,00 dólares (6 pessoas), ficou por US$ 300,00 👌 Então já sabem o que fazer né: pechinchar!


 O X-Caret é absurdamente grande! Ficamos o dia todo lá e arrisco dizer que andamos somente a metade ou um pouco mais. Com o Caio bebê, não conseguimos participar de muitas atividades, pois ele logo se cansou, devido ao sol forte. As atrações são muitas e bem diversificadas, agrada a todos os gostos. Vou listar abaixo o que conseguimos ver e algumas outras atrações.

  Ah, para ajudar na localização dento do parque, o chão é todo traçado com as cores das rotas, mas mesmo assim, é necessário andar com mapa.

  O parque está dividido em 6 rotas (pagamento a parte = $):

1) Rota do Rio (cor preta): Nesta rota você vai ver bichos, peixes, rios e zonas arqueológicas. OBS: existem 4 restaurantes nesta rota.

> Rio Maia: meu marido foi nesta atração pelo rio, eu não, por conta do Caio. O passeio dura um pouco mais de 1h em uma água geladíssima! Dentro do percurso, você passa por uma caverna com morcegos, deve ser de arrepiar! Para guardar seus pertences, é necessário alugar um armário ou pedir para despacharem suas coisas até o fim do trecho (ambos com custo adicional). Para fazer essa rota, é necessário usar colete, ou seja: mais uma cobrança!



> Animais: você encontra muitos bichinhos pelo caminho, como flamingos, macacos, veados e araras.



> Pedicure de peixes: não coloquei meus pés lá, mas achei interessante. No fim da rota dos rios, tem vários aquários cheios de peixinhos. Você coloca os pés lá dentro e recebe uma bela massagem ($).


2) Rota Aquário (cor azul): como o nome já diz, atrações aquáticas, como: aquário, nado com tubarões ($) e tartarugas-marinhas. Para quebrar essa vibe aquática, você também pode assistir à uma apresentação de teatro ao ar livre! Infelizmente não deu tempo de chegar nesta rota :(

3) Rota Praia (cor verde): aqui você poderá fazer snorkel, ir à praia, praticar snuba com a família ($) ou aproveitar 3 restaurantes que o local oferece. 


Delícia de lugar ^.^

> Lanchonete dos Playas: o parque estava lotado neste dia. Não tinha mais lugar para almoçar, conseguimos com muito custo uma mesa na praia e comemos fritas com hambúrguer.

Iguanas espalhadas pelo parque

4) Rota Golfinhos (cor vermelha): a rota mais fofa do universo hahaha. Aqui você pode nadar com os golfinhos, andar de cais ($), entrar nas piscinas naturais ou aproveitar um Xpá ($). OBS: a rota conta com 3 restaurantes.

> Delfines: finalmente chegou na parte fofa deste post hahaha. Sim, posso dizer que já nadei com os golfinhos! O valor foi absurdamente alto, mas pra mim, valeu a pena. Para o Caio, não!

  Primeiro: que antes de entrar na água, você recebe instruções de como agir e também fica um tempo brincando com os golfinhos (comandos). Caio já não estava mais aguentando ficar ali, o sol estava forte. Segundo: para entrar na água você precisa usar um salva vidas. E o salva vidas do Caio era maior do que ele. Ficou enorme, logo, teve que ficar no nosso colo a atração inteira! Aja braço 👎 Terceiro: a água estava completamente GELADA e salgada. Ele ficou aborrecido, engoliu um pouco de água e ainda ficou com medo dos golfinhos ~ e eu achando que ele iria amar >.<

  Tirando todos esses imprevistos, pude constatar que os golfinhos são super dóceis. Coisa mais fofa, dá vontade de levar pra casa!!!

  Claro que lá tinha um fotografo registrando tudo e claro que compramos as fotos em pendrive, porque o preço é de matar! De tanto chorar, conseguimos os arquivos por US$ 170,oo dólares. Caro? Sim, mas, não tinha como não comprar. Como estávamos com um casal de amigos, dividimos o valor e ficou um pouco mais em conta.



Caio com cara de quem (não) gostou dos golfinhos hahaha

5) Rota Povo Maia (cor branca): na penúltima rota do parque, você encontra diversas atrações voltadas para a cultura maia.

> Pavilhão das Borboletas: um espaço com rede enorme, cheio de borboletas e aves. Vale um passadinha por lá!



> Onças e Pumas: neste espaço só conseguimos ver os pumas, mas foi suficiente para as crianças se divertirem.



> Campo de Jogo de Bola: tem um campo parecido com o de Chichén Itzá, lá foi eu tirar mais fotos rsrs. Neste espaço há apresentações de jogos.



6) Rota México Espetacular (cor argila): aqui você poderá assistir à uma apresentação de Gran Tlachco, visitar o Museu de Arte Popular mexicana, se aventurar na Torre Panorâmica. Tem 2 restaurantes, sendo um utilizado para os Jantares Tlachco (apenas para ingresso X-Caret Xclusivo).

Localização: Estrada Chetumal - Puerto Juárez, Km. 282, Solidariedad, Quintana Roo.

 De carro: 70 minutos de carro de Cancún | 15 minutos de carro de Playa del Carmen.

Horário de funcionamento: todos os dias, das 8h30 às 22h30 - verão | das 8h30 às 21h30 - inverno. 

Tem um espaço com várias maquetes das civilizações Maia
Dia 6 (20/07): Volta

  Este dia foi reservado apenas para andar um pouco mais pelo hotel e nos despedirmos dessa cidade linda!

Medo: tinha um caranguejo na parte do fora do hotel, no dia de ir embora!
Alimentação
  Johnny  Rockets Burguer

  Chegamos com muita fome e optamos por comer algo rápido para irmos descansar. No La Isla tem um Johnny Rockets Burguer e foi nosso almoço de primeiro dia!

  Mesmo tendo franquias aqui no Brasil, eu não conhecia e até que gostei! Pedimos pão com carne e queijo e uma porção de fritas. O suco de laranja não é natural, é cheio de gelo e horrível, igual dos EUA.


  Tem 6 unidades do restaurante em Cancún, sendo 4 no aeroporto, 1 no shopping e 1 loja de rua.   


  Endereço: Centro Comercial La Isla Blvd. Kukulcan, 30 Localização I-04 Zona Hoteleira.


  La Parrilla

  Visitar outro país e não comer a comida típica de lá, pra mim, é quase a mesma coisa que não ter viajado. Ou para ilustrar melhor, é como ir à NY e não visitar a Estátua da Liberdade. Além de visitar lugares, em meus roteiros sempre coloco um prato típico do local que estou visitando. Através da culinária, você conhece os sabores que fazem parte daquela cultura e uma coisa complementa a outra: passeios culturais + alimentação (que no fim sempre acaba com: ah, por isso que eles usam bastante pimenta na comida rsrs).

  Este restaurante eu simplesmente indico para TODOS que querem vivenciar um momento 100% mexicano: comidas típicas (chili com carne, tacos, burritos, tortillas, guacamole...), uma das músicas típicas (mariachi), vestimenta típica (sombreiro, charro) e decoração típica.

  Chegamos para jantar e já havia um grupo tocando mariachi (começa a partir das 20h). A decoração é muito linda, bem alegre e colorida, como eles. A comida é muito gostosa e o preço é ok. Pedimos bebidas, nachos de entrada e burrito e pagamos um pouco mais de R$ 150,00 (com a propina, os "10%"). 

  Você também encontra o La Parrilla em outros locais: Playa del Carmen, Mérida e Campeche.   

  Endereço: Avenida Yaxchilán, 51, centro.

  Funcionamento: 12h às 2h. 


Ambiente super agradável
  Bubba Gump

  No dia de ir embora, deixamos para almoçar no aeroporto. Quando eu vi uma unidade do Bubba Gump, não tive dúvidas de que ali eu iria almoçar! Meu restaurante preferido dos EUA 💗 Quando vi fiquei surpresa, mas depois me dei conta de que com certeza teria um Bubba Gump lá, já que Cancún é considerado o quintal dos americanos! 

  Pedi um Accidental Fish and Shrimp no capricho e matei a saudade da terra do Tio Sam.

  O restaurante possui 3 unidades em Cancún: 2 no aeroporto e 1 na Flamingo Plaza.


Chocolate Chip Cookie Sundae

Besteirinhas + Café da manhã no hotel

O café da manhã variava: muffin ou croissant | chocolate frio (foi difícil ensinar eles a fazerem esse chocolate rsrs) ou iogurte | frutas sempre! 

Passadinha básica no mercadinho OXXO


7 UP é delícia demais

O que eu mudaria (pela experiência desta viagem, com uma criança de 1 ano e 8 meses ):


- Iria mais cedo para Chichén Itzá.


- Não faria o mergulho com os golfinhos.


- Ficaria uma manhã em uma praia pública com playground.

- Visitaria mais uma ruína.

- Ficaria pelo menos mais 2 dias na cidade.

- Reservaria um tempo para visitar o centro, coisa que não deu para fazer.

- Mergulharia em um cenote.

O que eu manteria:

- Intercalar: um dia de passeio, um dia de resort.

- Visitar o sítio arqueológico de Chichén Itzá, mesmo que não tenha sido nada agradável para o Caio.

- Hospedagem no JW Marriott e diária sem all-inclusive.

- Aluguel de carro (pelo simples fato de te dar liberdade).

- Levar fralda descartável e leite do Brasil.

- Voo noturno (sempre!).

Soneca depois de um dia de piscina <3
  Nesta primeira viagem internacional em família, pude constatar definitivamente, que a vida (e viagens) é mais alegre e feliz com filhos <3
  Finalizo este post com um conselho: visitem Cancún. A cidade é linda e muito receptiva <3 Voltaria para lá com toda a certeza do mundo, tamanho meu amor pela cidade e pelo país! Também deixou um gostinho de "quero mais" para se aventurar e conhecer outros países caribenhos e até mesmo outras cidades mexicanas!

Informações:
DDI: + 52
Código: 998
Fuso-horário: - 2h
Moeda: Peso mexicano ($10,00 MXN = R$1,84)
Idioma: espanhol.

1) Alugamos o carro com a nossa habilitação do Brasil mesmo, não é necessário habilitação internacional.

2) É necessário passaporte para entrar no México, mas não precisa de visto.

3) Prestem atenção nos valores de tudo o que comprar. Os vendedores costumam acordar um preço e depois falam outro, sempre maior do que o preço que eles haviam dito antes.


4) Fiquem espertos com as blitz, fomos parados 2x! Uma das vezes o policial nos segurou por uns bons minutos, perguntando repetidamente se havia bebida no carro. Eu tinha lido sobre blitz e realmente vimos várias durante a nossa estadia por lá.

5) Levem repelente. Não tivemos problemas com picadas, mas, todo cuidado é pouco! E muuuito protetor solar hahaha.
  Até mais!!! 
  Thais

Talvez você goste!!

0 comentários